Categoria Notícias

Casa da Ciência do Hemocentro RP abre inscrições para orientadores no projeto “Pequeno Cientista”

Estão abertas, até o dia 30 de março, as inscrições para os pesquisadores e pós-graduandos interessados em participar do programa “Pequeno Cientista”, da Casa da Ciência do Hemocentro de Ribeirão Preto. Os orientadores acompanharão grupos de alunos do ensino básico por um projeto de iniciação científica.

Os encontros acontecem todas as quintas-feiras, das 15h30 às 17 horas, no Hemocentro de Ribeirão Preto, durante o 1º semestre deste ano. As atividades começam em abril e terminam em junho com o Mural, um evento aberto ao público em que os estudantes são avaliados pelos resultados alcançados, nos moldes de um congresso científico.

A parceria é essencial para que as ações da Casa tenham sucesso neste 18º ano de existência. A proximidade entre o pesquisador e aluno faz toda a diferença.

Os participantes terão direito a certificado referente à colaboração. A Casa da Ciência também desenvolve outros programas e projetos não-presenciais.

 Os interessados podem entrar em contato com a equipe pelo e-mail contato@casadaciencia.com.br ou pelo telefone 2101-9308. 

Visite também o site www.casadaciencia.com.br.

Compartilhe:

Pesquisa do CTC-USP consolida avanços no tratamento da esclerose sistêmica

Um grupo de pesquisadores do Centro de Terapia Celular (CTC) da USP publicou um artigo que avalia os mecanismos imunológicos relacionados­ à resposta terapêutica do transplante autólogo de células-tronco hematopoéticas em pacientes com esclerose sistêmica.

O estudo “Immune rebound associates with a favorable clinical response to autologous HSCT in systemic sclerosis patients” foi divulgado no dia 17 de janeiro pelo periódico científico Blood Advances, da American Society of Hematology, a maior revista de hematologia do mundo.

O trabalho, apoiado pela FAPESP, foi conduzido com a colaboração de pesquisadores da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP, do Hemocentro de Ribeirão Preto e da Universidade Paris Diderot, Sorbonne Paris Cité, da França.

Os cientistas buscaram entender por que cerca de 20 a 25% dos pacientes transplantados não respondem bem ao procedimento e não apresentam melhora no estado clínico.

A esclerose sistêmica é uma doença autoimune reumática crônica do tecido conjuntivo, caracterizada por lesões microvasculares associadas a diferentes graus de fibrose da pele e dos órgãos internos. As causas permanecem ainda desconhecidas, por isso, os tratamentos disponíveis possuem uma eficácia limitada no controle da progressão da doença e os pacientes sofrem com problemas de falta de ar, dores pelo corpo, manchas e dificuldade de locomoção, levando muitos doentes a deixarem seus trabalhos e o convívio familiar.

Na pesquisa foram avaliadas a função do timo e da medula óssea na produção de novas células em 31 pacientes transplantados, no período de três anos, e comparadas em paralelo com os dados de 16 pacientes, também com esclerose sistêmica, tratados com a terapia convencional (imunossupressão).

“Nós testamos a hipótese de que o transplante seria capaz de reativar a produção de novas células por esses dois órgãos, levando à substituição das células doentes, que atacam tecidos do corpo, por células saudáveis”, explica o pesquisador Lucas Coelho Marlière Arruda, um dos autores do projeto.

A equipe observou que somente os pacientes transplantados apresentaram aumento na função do timo e da medula óssea, levando à produção de maiores níveis de células T reguladoras e B reguladoras respectivamente. Enquanto nenhuma alteração foi notada nos pacientes tratados pela terapia convencional.

O transplante envolve o uso de altas doses de quimioterapia, com o objetivo de destruir por completo o sistema imunológico doente, seguido pela administração das células-tronco do próprio pacientes para “reiniciar” o sistema imune e impedir a progressão da doença.

Segundo Arruda, nos pacientes não respondedores, a quimioterapia empregada no transplante não foi capaz de destruir o sistema autoimune, com isso, as células doentes se mantiveram mesmo depois do procedimento, aliadas a uma diminuição dos níveis de células reguladoras.

A pesquisa conclui que somente o transplante autólogo de células-tronco hematopoéticas induz a produção de novas células pelo timo e medula óssea, levando à remissão clínica da doença. A alternativa  proporciona uma protocolo clínico mais eficaz e a consolidação desta terapia como tratamento.

O artigo completo está disponível no link: http://www.bloodadvances.org/content/2/2/126

Compartilhe:

Inscreva-se na “Jurassic Férias” da Casa da Ciência do Hemocentro RP

Estão abertas as inscrições para a 13ª edição do projeto Férias com Ciência, promovido pela Casa da Ciência do Hemocentro de Rib. Preto. O tema deste ano é “Jurassic Férias”.

O programa será realizado nos dias 23, 24 e 25 de janeiro, das 14h30 às 17h, no MuLEC – Museu e Laboratório de Ensino de Ciências.

A equipe da Casa preparou diversas atividades relacionadas a Paleontologia. Cada dia os alunos viverão uma temática diferente dentro do assunto.

Para participar basta preencher o formulário no site www.casadaciencia.com.br, até o dia 19 de janeiro. Ao todo, são 40 vagas disponíveis gratuitamente para estudantes acima de 13 anos.

O MuLEC fica na Rua Clóvis Vieira, nº 27, no Campus da USP Ribeirão Preto. Mais informações pelo telefone (16) 2101-9308 ou pelo e-mail: contato@casadaciencia.com.br.

Compartilhe:

Hemocentro abre Posto de Coleta aos sábados

Objetivo é aumentar número de doadores.                                                                                                                         

O POSTO DE COLETA do Hemocentro RP funcionará todos os sábados, a partir deste 23/12, das 7h às 12h30. O objetivo é oferecer mais opções de horários aos doadores e  aumentar o volume de coleta de sangue. Com isso, o PC passa a funcionar de segunda a sexta, das 7h30 às 17h30. No sábado e domingo, das 7h às 12h30. O PC fica na rua Quintino Bocaiuva, 470, atrás da Unidade de Emergência do Hospital das Clínicas.

Além do Posto de Coleta, o doador, se preferir, pode optar pelo Hemocentro, no campus da USP, em frente ao Hospital das Clínicas. O horário de funcionamento é de segunda a sexta das 7h às 13h. Sábado e domingo, das 7h às 12h30. As doações podem ser agendadas pelo 0800.979.6049. Se preferir, o doador pode ir direto a uma das duas unidades em Ribeirão Preto.

Compartilhe:

Hemocentro abre Posto de Coleta aos sábados

Objetivo é aumentar número de doadores.                                                                                            

O POSTO DE COLETA do Hemocentro RP funcionará todos os sábados, a partir deste 23/12, das 7h às 12h30. O objetivo é oferecer mais opções de horários aos doadores e  aumentar o volume de coleta de sangue. Com isso, o PC passa a funcionar de segunda a sexta, das 7h30 às 17h30. No sábado e domingo, das 7h às 12h30. O PC fica na rua Quintino Bocaiuva, 470, atrás da Unidade de Emergência do Hospital das Clínicas.

Além do Posto de Coleta, o doador, se preferir, pode optar pelo Hemocentro, no campus da USP, em frente ao Hospital das Clínicas. O horário de funcionamento é de segunda a sexta das 7h às 13h. Sábado e domingo, das 7h às 12h30. As doações podem ser agendadas pelo 0800.979.6049. Se preferir, o doador pode ir direto a uma das duas unidades em Ribeirão Preto.

Compartilhe:

Artigo publicado pela Casa da Ciência é destaque na Revista Brasileira de Pós-Graduação

Um grupo de pesquisadores da Casa da Ciência, coordenados pela professora Marisa Ramos Barbieri, publicou o artigo “Alfabetização científica e iniciação científica: da assimilação de conceitos ao comportamento científico”, na Revista Brasileira de Pós-Graduação, editada pela Coordenação de Aperfeiçoamento do Pessoal de Nível Superior (Capes).

O texto aborda o trabalho realizado pela instituição, desde 2012, na promoção da alfabetização e iniciação científicas em alunos da rede básica de ensino de Ribeirão Preto e região, desenvolvido em parceria com pós-graduandos da USP e de outras universidades.

Clique aqui e leia o artigo completo.

Projeto

A Casa da Ciência é um projeto do Hemocentro de Ribeirão Preto que desenvolve atividades de ensino de ciências com objetivo de apoiar e aproximar a pesquisa científica de alunos e professores da rede básica de ensino.

A Casa iniciou suas atividades como parte educacional do Centro de Terapia Celular (CTC-USP), um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPID), financiados pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), e do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia (INCT) em Células-Tronco e Terapia Celular no Câncer, financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Compartilhe:

Reciclagem Anual para Unidades Conveniadas

Data: 01/12/2017

Inscrições online no período de 07/11/2017 a 21/11/2017

tabela

Inscrições pelo site: http://web2.hemocentro.fmrp.usp.br/conveniadas/forminscricao_geral.asp

Local: Anfiteatro Vermelho – Hemocentro RP
Rua Tenente Catão Roxo, 2501
Ribeirão Preto – SP

Compartilhe:

CTC-USP realiza o “II Workshop on Immunotherapy” focado na terapia com CAR-T cells

O Centro de Terapia Celular (CTC-USP) promove o “II Workshop on Immunotherapy”. O evento será realizado no dia 17/11, das 8h30 às 13h15, no Anfiteatro Vermelho do Hemocentro de Ribeirão Preto.

A participação é gratuita, basta preencher o formulário de inscrição no link: https://goo.gl/H8B4WR .

O encontro tem como foco a terapia com CAR-T cells, que associa a imunoterapia celular à engenharia genética e biotecnologia. As células T são coletadas do próprio paciente e modificadas geneticamente em laboratório. Uma vez alteradas, elas são reintroduzidas na corrente sanguínea, onde se multiplicam e começam a combater as células cancerígenas.

O encontro terá a participação de pesquisadores da USP, Hemocentro RP, do INCA, ANVISA, FINEP, GE Healthcare Life Sciences e do Prof. Dr. Bruce Levine, do Center for Advanced Cell Therapies, da Philadelphia, nos Estados Unidos.

Dentre os temas serão abordados os tratamentos de leucemia e linfoma, a transferência de tecnologia da academia para a indústria, protocolos de aplicação clínica, propostas de regulamentação de produtos e etc.

O Hemocentro de RP fica na Rua Tenente Catão Roxo, 2501. Mais informações pelo e-mail ctcusp@gmail.com ou pelo telefone 2101-9350.

Clique aqui e confira a programação completa.

Compartilhe:

Pesquisa com células geneticamente modificadas podem beneficiar pacientes do SUS com leucemia e linfoma

Pesquisadores do Hemocentro de Ribeirão Preto estão desenvolvendo uma plataforma de expansão de células T geneticamente modificadas para tratamento de pacientes com leucemias e linfomas. Dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA) indicam que foram registrados mais de 23 mil novos casos destas doenças em 2016.

Essa terapia poderá beneficiar pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS). O Hemocentro de Ribeirão Preto sedia o Centro de Terapia Celular (CTC-USP), da FAPESP, e Instituto Nacional de Células-Tronco e Terapia Celular no Câncer (INCTC), do CNPq, que têm aporte financeiro de R$ 7 milhões para pesquisas em terapias celulares e genéticas do câncer. A equipe também possui parceria com a GE Healthcare Life Sciences para o desenvolvimento do projeto.

Esse tipo de imunoterapia foi desenvolvida por pesquisadores pioneiros da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, e posteriormente licenciada à indústria farmacêutica Novartis. Conhecida como CAR-T cell therapy, a terapia é totalmente personalizada e associa a imunoterapia celular à engenharia genética e biotecnologia.

O estudo americano, conduzido com essa terapia, mostrou que uma dose única de células T geneticamente modificadas fez desaparecer por completo as células cancerígenas em 83% dos pacientes com leucemia linfoide aguda tratados. Os resultados foram considerados impressionantes pelos oncologistas e um grande avanço para esses pacientes que não tinham mais opções terapêuticas.

As células T são coletadas do próprio paciente e modificadas em laboratório para atacar suas células cancerígenas. Uma vez modificadas, as células T tornam-se mais “potentes”, ou seja, mais capazes de reconhecer e destruir as células cancerígenas. Após a modificação e expansão em laboratório, as células T geneticamente modificadas são reintroduzidas na corrente sanguínea, onde se multiplicam e começam a combater as células cancerígenas.

Uma única célula T modificada é capaz de destruir até 100 mil células cancerígenas. Ao contrário dos medicamentos disponíveis atualmente, cada dose é customizada para o paciente e, para isso, há uma logística complexa e elevado custo. Apesar de promissora, a nova terapia pode ter efeitos colaterais graves. O mais frequente é a resposta exacerbada do sistema imunológico, que causa febre muito alta e queda súbita de pressão arterial.

Até o fim deste ano, está prevista a submissão de um estudo clínico experimental para apreciação pelo Comitê Nacional de Ética em Pesquisa e aprovação das agências reguladoras brasileiras.

O projeto é liderado pelos professores Dimas Tadeu Covas e Rodrigo Calado, ambos da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP-USP). A equipe é composta pelas pesquisadoras Virginia Picanço e Castro, Kamilla Switch e Kelen Malmegrim de Farias, também da USP de Ribeirão Preto.

Reportagem: Marcos de Assis – Assessoria de Imprensa do Hemocentro de Ribeirão Preto

Compartilhe:

Bolsa de Treinamento Técnico 3 – FAPESP

Processo seletivo de bolsa de treinamento técnico (TT3-FAPESP) para atividades laboratoriais relacionadas ao Projeto de Pesquisa.                                                                             

DESCRIÇÃO: Processo seletivo de bolsa de treinamento técnico (TT3-FAPESP) para atividades laboratoriais relacionadas ao Projeto de Pesquisa: Desenvolvimento e validação de uma plataforma molecular multiplex para o diagnóstico confirmatório da infecção pelo vírus Zika e produção de insumos.

Local: Hemocentro de Ribeirão Preto

Requisitos para os (as) candidato(as):

– Graduação em Farmácia, Biomedicina ou Biologia, sem vínculo empregatício. 
– Noções básicas de ferramentas em Biologia Molecular (Extração de ácidos nucleicos, Reação em cadeia da polimerase (PCR) e manuseio de amostras clínicas. 
– Dedicação de 40h semanais à atividades do projeto.
Nota: Segundo a FAPESP o tempo de bolsa TT-3 será descontado no caso de o interessado vir a usufruir de Bolsa de Mestrado ou Doutorado Direto.

A bolsa tem duração de 16 meses.
Quantidade de bolsas: 1
Valor: R$ 1.136,40/mensais.

Data limite para envio da documentação: 08 de agosto de 2017 (18h).
Os interessados devem enviar histórico escolar simples, curriculum vitae (máx. 5 páginas) e carta de interesse para email para carmen@hemocentro.fmrp.usp.br
Identificar no ASSUNTO do email: Processo Seletivo Bolsa TT-3 – Nome do candidato

 

Compartilhe: