Centro de Terapia Celular

O Centro de Terapia Celular (CTC) da USP trabalha há mais de 15 anos produzindo estudos e medicamentos eficientes com o uso de tecnologia brasileira

O CTC é formado por pesquisadores da USP e do Hemocentro que estão interessados na compreensão da biologia das células-tronco, bem como no desenvolvimento de novas técnicas para o tratamento de doenças.

Nossos pesquisadores foram responsáveis pela geração da primeira linhagem de células-tronco embrionárias no Brasil e produziram um dos primeiros clones bovinos e ovinos no país. A equipe também alcançou avanços no tratamento da hemofilia, com a produção inédita dos fatores responsáveis pela coagulação do sangue FVII, FVIII e FIX, utilizando células humanas. O que resultou no registro de patentes e alternativas mais seguras e acessíveis aos pacientes.MVp

Entre pesquisadores principais, pesquisadores associados, bolsistas, mestrandos, doutorandos e pós-doutorandos, a Instituição soma mais de 170 homens e mulheres que buscam compreender o funcionamento do corpo humano. Médicos, biólogos, biomédicos, farmacêuticos, veterinários e químicos trabalham com excelência para oferecer os melhores resultados para a sociedade.

O Centro de Terapia Celular desenvolvem trabalhos nas áreas de Biologia Molecular e Celular, Hematologia e Química de Proteínas.

 

CTC

 

O que são células-tronco?

  1. a) Quanto à origem: elas podem ser embrionárias (formam o embrião) ou somáticas (quando começam a formar o feto).
  2. b) As principais características de uma célula-tronco: a autorrenovação, a diferenciação e quiescência. Na medula óssea, por exemplo, as células-tronco hematopoéticas, que têm vida média de curta duração, constantemente são renovadas por células-tronco somáticas.
  3. c) Em relação ao potencial de diferenciação: quanto mais jovem a célula-tronco, maior o seu potencial de diferenciação.

– Logo após a fecundação do oócito pelo espermatozoide, até a fase de quatro células, elas são chamadas de totipotentes. Essas células apresentam a capacidade de gerar um indivíduo adulto completo, além dos anexos fetais (placenta, cordão umbilical e saco vitelínico).

– Na próxima fase, conhecida como blástula, elas são classificadas como pluripotentes, com capacidade de gerar todas as células do indivíduo adulto, com exceção dos anexos fetais.

– À medida que ocorre a diferenciação e a especialização dos tecidos, este leque de potencial se reduz e passamos a encontrar as linhagens multipotentes, oligopotentes e monopotentes.

 

O que é a terapia celular?

cel-troncoÉ a utilização de células manipuladas ou alteradas ex vivo na prevenção, tratamento ou cura de doenças e injúrias. Essas células podem ser de origem do próprio indivíduo (autóloga), de um amigo ou parente (alogênica) ou, ainda, de origem animal (xenogênica).

Fonte: Casa da Ciência do Hemocentro de Ribeirão Preto

 

 

 

Endereços:

Site: ctcusp.org

E-mail: ctcusp@gmail.com

Facebook: facebook.com/ctcusprp

Twitter: @ctc_usp

 

Compartilhe: