Pioneirismo na vacinação em Serrana (SP) foi o principal fator para a redução da mortalidade de COVID-19

Um estudo coordenado por pesquisadores do Hemocentro de Ribeirão Preto, CTC-USP e Instituto Butantan concluiu que a vacinação contra a COVID-19 em Serrana (SP), cidade modelo de imunização no Brasil e sede do Projeto S, foi responsável por reduzir a taxa de mortalidade, morbidade e casos graves da doença durante a circulação das variantes Gamma e Delta do vírus SARS-CoV-2. Porém, a rápida disseminação da variante Omicron inspira cuidados e constante vigilância genômica.

O artigo “Dynamics of SARS-CoV-2 Variants of Concern in Vaccination Model City in the State of Sao Paulo, Brazil” foi publicado nesta quinta-feira, 29/09, no periódico MDPI e integra a edição especial “Molecular Epidemiology of SARS-CoV-2”.

Os moradores da cidade de Serrana, localizada na região de Ribeirão Preto (SP), participaram do primeiro programa de vacinação contra a COVID-19 do país, com a aplicação em massa da vacina CoronaVac (Sinovac Biotech). Entre junho de 2020 e abril de 2022, os pesquisadores realizaram a vigilância molecular do SARS-CoV-2 em 4375 genomas completos, para avaliar o efeito da imunização e os resultados clínicos.

Segundo os autores, a dinâmica de substituição do SARS-CoV-2 no município seguiu a epidemiologia molecular viral no Brasil, incluindo a identificação inicial das linhagens ancestrais (B.1.1.28 e B.1.1.33) e ondas epidêmicas de variantes preocupantes, incluindo Gamma, Delta e, mais recentemente, Omicron.

Os cientistas destacam que a vigilância genômica realizada desempenha um papel importante no monitoramento de variantes do SARS-CoV-2, pois permite a detecção rápida de novas linhagens e o monitoramento de suas taxas de disseminação e substituição.

A equipe segue monitorando o vírus na região, com atenção para a diversificação da variante Omicron e as sublinhagens que possam surgir.